28 de jul de 2010

O 1º “Saloon” Automóvel no
.
Rio de Janeiro



e

.

o Palácio dos Desportos
.
em Lisboa







O jornal “O Globo” traz hoje um artigo muito interessante. O jornal completa amanhã, 29 de Julho, 85 anos e decidiu fazer uma crônica sobre acontecimentos no Rio de Janeiro, nessa época.
Entre 1 e 16 de Agosto de 1925 realizou-se aqui a Primeira Exposição de Automobilismo. Foi um sucesso!




Aproveitaram-se para o evento os Pavilhões de Portugal e Espanha que tinham sido construídos para a Exposição do Centenário da Independência do Brasil, e desde essa época desocupados!


O "Pavilhão" de Portugal na Exposição do Centenário
do Brasil


A Ford fez a maior festa: apresentou uma linha de montagem do seu Model T, que desmontou no fim da Exposição, mas assim mesmo, em 17 dias, montou algumas dezenas de carros! Além disso foi ela que usou o maior espaço de exibição com uma bonita coleção de outros modelos.






Diz o jornal que o navio que trazia os “aristocráticos” Hispano-Suiza se atrasou!

Um "aristocvrático (e carissimo!) Hipano-Suiza


Mas lá estavam entre outros os “Voisin”, da fábrica francesa Avions Voisin que nessa época eram também carros de luxo.


Os "Voisin" - Voitures de Rois !

A General Motors fez uma bela propaganda dos seus caminhões!

O caminhão GMC, carregado com duas toneladas de areia !


Pouco tempo depois, em 1929 o pavilhão de Portugal, construído com sobre estrutura metálica, foi desmontado e transportado para Portugal, reconstruído em Lisboa, no Parque Eduardo VII, em Lisboa, e chamado Palácio das Exposições. A sua abertura deu-se em 3 de Outubro de 1932 com a Grande Exposição Industrial Portuguesa.Em 1946 foi adaptado para ser o Pavilhão dos Desportos, onde se disputou, em 1947, o Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins – que Portugal venceu – e em 1984 trocou de nome para Pavilhão Carlos Lopes,


O bonito Palácio dos Desportes com seus azulejos

Este edifício, projetado pelos arquitetos Guilherme e Carlos Rebello de Andrade e Alfredo Assunção Santos, foi primeiramente construído no Brasil para a Grande Exposição Internacional do Rio de Janeiro, que abriu a 21 de Maio de 1923.Ainda me recordo de ter visto nesse Pavilhão, em Lisboa, talvez em 1940 ou 41, uma exposição com os prêmios que o jornal “O Século” – que Deus haja – mostrava ao público, e que seriam sorteados quando terminasse um concurso com figuras que se recortavam do seu jornal! Lembro-me que o primeiro prémio era um avião! Muito sonhei que esse avião me havia de sair!
E eu nem tinha idade para jogar!

N.- Imagens do jornal "O Globo" e do bolg "Lisboa Antiga"

28-jul-10

6 de jul de 2010

O Paraíso Terreal



Sem crise, crescimento vertiginoso, big cacique com 80% de aprovação, terra sem vulcões nem terremotos nem tsunamis nem furacões, a maior reserva natural do mundo, e a perspectiva de ser governado por uma terrorista, mentirosa e “metida a macho”, não é necessário dizer qual é esse país da felicidade terrena.
Mas... alguns números e opiniões de técnicos e especialistas são de fazer inveja a qualquer alienígena:
Um dos números curiosos é que o país tem o sistema telefônico via celular mais caro do mundo! Com um custo 75% superior a Honduras o segundo mais caro, e 1.945% mais caro do que na Jamaica!
Em "O Globo" - 05/Julho/2010

Outro equilíbrio interessante entre as várias regiões paradisíacas: o gás, de consumo caseiro e industrial custa, no Rio de Janeiro, mais 37% do que em São Paulo, a capital da indústria e da finança nacional!
Como o paraíso paga os juros mais altos do mundo, o que, como é evidente, atrai capital especulativo a curto prazo, e com isto, para pagar esses juros vai-se aumentando a famosa dívida interna. Dívida essa que passa dos 61% do PIB nacional. (Um bomba relógio). A EU limita esse endividamento a 60%! E a previsão é que a taxa básica ainda aumente mais 2% até ao fim do ano!
É o melhor paraíso: emprestando dinheiro ao governo a mais de 10% ao ano... se tiver alguma poupança amealhada não precisa trabalhar!
Segundo o jornalista Elio Gaspari este paraíso “é um dos países onde mais se trabalha para sustentar o governo que, por sua vez, melhor remunera seus gordos credores. De uma lista de 135 países, o Estado paradisíaco, que tanto arrecada, disputa com o Turquemenistão a menor taxa de investimento do mundo.” UM dia, bomba relógio, o efeito Madoff vai bater-lhe à porta.
Para o eleitor ignorante anunciou-se e propalou-se aos sete ventos que o país finalmente pagara a dívida externa – leit motiv dos raivosos ataques da ex teórica esquerda – e que passou até a credor do FMI! Sensacional. Mas pagou como? Emitiu obrigações do Tesouro a cinco e dez anos, mundo afora, garantindo (?) pagamento de 6%, limpinhos, ao ano!
Além disso tem coisas que as minhas meninges não conseguem alcançar. Por exemplo: há dias fui comprar um medicamento. O atendente foi buscar a caixinha, passou no código de barras e eu li na tela do computador 49,75!!! Perguntei, pasmado: - 49 reais? – Não; isto é o desconto! – 49,75% de desconto é algo inimaginável, e assim mesmo as farmácias ganham brutalidades, porque finalmente o preço do medicamento ainda conseguiu ficar em mais do dobro do que nos EUA!
Mas também tem coisas “ótimas”: os medicamentos pagam, SÓ, 39% de impostos ao Estado!
Um automóvel produzido neste paraíso e exportado para a Argentina ou México é vendido nesses países por cerca de 30% menos do que na terra onde nasceu!
A média geral de impostos que os felizes habitantes deste Éden pagam é de 36,5% do PIB. Quase o mesmo do que a Noruega onde a saúde, a educação, a investigação, a... deixa p´ra lá!
Diz o big cacique no meio dos seus inflamados e ridículos discursos: “O povo tem que pagar impostos altos para termos um Estado rico”! Fantástica esta noção economia! Esqueceu Sua Sabedoria que a economia não se faz de impostos, muito pelo contrário, mas fomentando a produção, criando infra-estruturas e postos de trabalho em vez de distribuição de esmolas eleitoreiras.
E ainda surgiu em Portugal – ó pobre país! – um movimento para levar o big cacique para secretário Geral da ONU! Santa ignorância ou malvada subserviência, agora que o Éden está a crescer, à REVELIA DO GOVERNO ?
Acaba de cair da França um ministro que gastou, oficialmente doze mil euros em cigarros! Ou ele fumava muito, ou distribuía a convidados. Soube-se disso e o ministro... dançou.
Neste Paraíso a dança é outra. É a famosa dança da pizza, com distribuição de tanto dinheiro da roubalheira, que os “beneficiados” têm que transportar a grana escondida nas cuecas, nas meias, na carteira da deputeda, perdão, de-puta-da (o que é o mesmo!).
A nossa querida empresa monopolista petroleira tem um poderio financeiro incalculável e quase inesgotável. Precisa de conselheiros. Tudo amigalhaços: ministros, dirigentes sindicalistas e até a preposta candidata a substituir o big cacique. Como já têm ordenados – altos – do governo, vão ali buscar mais cinquenta mil dólares por mês para compensar a fadiga dos “conselhos”: reúnem-se uma vez por mês, quando...
Uma ONG, e eu não gosto muito de ONGs, calculou, há pouco tempo que neste Paraíso se desviam (palavra simpática para dizer roubam) todos os anos mais de 100.000.000.000, isso mesmo, mais de cem bilhões de dólares. O big cacique não vê, nem sabe de nada, os filhos e a camarilha ficam podres de ricos, os sindicatos são “abastecidos” com verbas do governo, criam-se milhares, centenas de milhares de cargos públicos altamente remunerados, e assim mesmo o país cresce. Só nester ano o big chefe encontrou lugar para mais 37.000 – isso, trinta e sete mil – comparsas que endividam mais o Estado em cerca de $ 2 bilhões de reais por ano! Mas são mais 37.000 votos a favor!
Às vésperas das eleições Sua Indecência distribuiu mais meio bilhão de reais! COMO? 50% para o partido do governo e o que o apóia. Para o da oposição... 0,5% !
Aqui se desenvolveu o mais moderno sistema de urnas de votação. Eletrônico! Foi um sucesso quando apareceu, mas NENHUM outro país do mundo comprou o sistema! Porquê? Basta alterar o programinha que os votos mudam de canal!!!
Assim mesmo o país cresce. Não admira. As entidades privadas sabem que este Paraíso é do tamanho de um continente, que tem milhões e milhões de hectares de terras agricultáveis, que é rica em minério e agora em petróleo, e, com governo ou sem ele, fazem “acontecer”. E o país cresce.
Até quando?

Nota: no texto anterior vê-se o big chefe respondendo a perguntas sobre infra-estrutura, desenvolvimento e juros altos!
 
5-jul-10